Hoje eu acordei com Frida Kahlo

Uma mulher a frente do seu tempo. Muitas vezes acusada de transgressora. sua paixão pela arte se confundia por sua paixão pela vida. Um ícone do surrealismo, mas principalmente um ícone do feminismo na década de 1950 e das décadas subsequentes. Mesmo com todos os desafios que a vida lhe impôs, poliomelite e um acidente de ônibus que lhe deixou sequelas, Frida representou sua identidade e seu povo, deu autenticidade ao povo mexicano valorizando e visibilizando suas origens.

Tudo que se impunha como limite Frida transformou em arte. Seu casamento com Diego Rivera revelou o profundo amor que sentia por ele assim como as contradições de um relacionamento marcado pela infidelidade de ambos os lados. Também precisamos parar de romantizar essa relação. Hora de pensar Frida para além de Rivera. Muito por conta da sua condição física, Frida sofreu três abordos. Ainda que fossem momentos difíceis ela nunca abandonou a ideia de maternidade.

Ela explorou essa vontade em suas litografias provavelmente como subterfúgio para a superação de suas desilusões. Abrigou Leon Trotsky, um dos líderes da Revolução Russa em sua casa. Frida viveu um breve affair com ele.

Morreu com 47 anos, muito jovem.
Acordei com ela porque sua força para projetar a sua própria vida rompeu barreiras e perspectivas. Viveu sua história, fez sua história. Hoje e sempre a saúdo, relembro e me inspiro.

983920_2463829476986306_4506789885063111414_n

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s