Museu da Ocupação – Riga – Letônia

Ignoraram os crimes cometidos pelas ocupações nazistas e comunistas ao longo do século XX o que gerou sérias consequências para as nações dos Países Bálticos. Entretanto, os anos de ocupação fizeram com que as populações da Letônia, Estônia e Lituânia procurassem legitimar suas culturas e, principalmente construir um Museu cujo objetivo é lembrar constantemente a história das ocupações nazista e soviética para que as antigas e novas gerações jamais esqueçam da sua história e valorizem suas conquistas.

O Museu da Ocupação situado na cidade de Riga, na Letônia, é a referência mais imediata das ocupações na região dos Países Bálticos. Nele podemos encontrar diversas referências fotográficas que registraram as atrocidades das intervenções e a profunda mutilação que esses povos sofreram de 1941 a 1991.

Um dos fatos de destaque na história dos bálticos é, sem dúvida, a assinatura do Tratado de Brest-Litovsk. Este, concedeu à Alemanha a soberania dos Países Bálticos. Porém, com o armistício assinado no dia 11 de novembro de 1918 a Alemanha renunciou ao tratado, assim como a Rússia, deixando a Letônia, Estônia e Lituânia em situação favorável para a declaração de suas independências. Após quase 700 anos marcados por domínios suecos, russos e alemães, a Letônia finalmente declarou sua independência em 18 de novembro de 1918.

De 1918 a 1940 o foco de atividades da Letônia passou a ser a Europa Ocidental. Sob um governo parlamentar, a língua oficial do país passou a ser o letão e o país passou a ser membro da chamada Liga das Nações. A Inglaterra e a Alemanha tornaram-se parceiras comerciais da Letônia que sempre teve forte produção na agricultura e na pecuária.

Mas o que parecia caminhar para a plena prosperidade teve seu caminho interrompido pela Segunda Guerra Mundial. Em 1940 a URSS ocupou e anexou o território da Letônia. A Alemanha Nazista também ocupou o território do país entre 1941 e 1944. A comunidade judia sofreu exaustivamente e foi forçada a viver em guetos, comum estratégia dos nazistas neste período. O bairro de Maskava se tornou um desses espaços de sofrimento e em Kaizerwald foi implantado um campo de concentração. Tal época marca a tônica da ocupação nazista: violação de direitos, exílio e sofrimento.

Com a derrota nazista os soviéticos concluíram o período de ocupação. Muitas foram as deportações de cidadãos da Letônia para a Sibéria sob a acusação de colaboração com os nazistas.

Esta nova ocupação transformou a fisionomia do país, principalmente da cidade de Riga. Foi uma verdadeira recomposição geográfica com destaque para a imigração russa. A industrialização forçada, a introdução de estradas de ferro e a nova urbanização trouxeram um pouco de desenvolvimento para o país, entretanto, nos anos de 1980, com as reformas econômicas promovidas por Mikhail Gorbachev por meio da Perestroika, conduziram as Repúblicas Soviéticas a um novo processo de independência. Essa nova independência ocorreu no dia 21 de agosto de 1991 e seu reconhecimento por parte da Rússia ocorreu no dia 6 de dezembro do mesmo ano.

Por toda essa trajetória é que os Países Bálticos reafirmam sua história para valorizar o seu presente e o seu futuro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s