Idade Média: as Migrações bárbaras e o Reino dos Francos

•Média: algo que está entre duas coisas, no meio – Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna;

•Período que corresponde a mais ou menos 1000 anos; •Inicia-se com o Baixo Império Romano;

•Corresponde a uma região: Europa – Nem todos tiveram Idade Média (América, Ásia e África – processos diferentes.

FORMAÇÃO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA, POLÍTICA E CULTURAL

—Implantação de um sistema senhorial ou feudalismo; —

Base do sistema: feudo = unidades agrárias; —

Controle: senhoril, isolamento e pouco comércio; —

Fatores históricos para a implantação do feudalismo: migrações bárbaras;

FASES DA IDADE MÉDIA: (A) Alta Idade Média – V e X – consolidação do feudalismo; (B) Baixa Idade Média – XI e XV – decadência, declínio feudal, transformações, transição.

MIGRAÇÕES BÁRBARAS: PRINCIPAIS POVOS:

—Celtas: indo-europeus que habitavam a europa central e a europa oriental; —

Eslavos: russos, polacos, tchecos, sérvios, bósnios etc; —

Tártaros-mongóis: hunos, turcos, búlgaros, húngaros; —

Germanos – vários povos de origem indo-europeus: visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, saxões, francos, etc. Germanos: se fixaram como aliados dos Romanos (soldados, colonos, operários, etc).

CRONOLOGIA DOS EMBATES:

—378: VISIGODOS DERROTARAM O IMPERADOR Valente – Batalha de Andrinopla; —

403: Visigodos invadiram a Grécia e a Itália; —

406: ostrogodos derrotados pelo general Estilicão; —

410: visigodos atacaram Roma; —

450: hunos chegaram às margens do Danúbio e, no ano seguinte, saquearam a Gália (Átila, o huno – “Flagelo de Deus);

451: tropas romanas e germanas fazem os hunos recuarem – Batalha dos Campos Catalúnicos;

—452: hunos, retiram-se para a Hungria; —

455: Genserico, rei vândalo, saqueia Roma; —

476: hérulos, sob a chefia de Odoacro, depõem o último imperador, Rômulo Augusto, marcando o fim do Império Romano do Ocidente; —

493: Teodorico, rei Ostrogodo conquista a Itália; —

568: lombardos conquistam a Itália; —

MIGRAÇÕES BÁRBARAS: ativaram o processo de ruralização européia; —Ápice: montagem da ordem feudal.

REINO DOS FRANCOS

—Tribos germânicas se instalaram no norte da Itália e no centro da atual França, que se tornou o reino mais importante da Alta Idade Média européia, transformando-se num império semelhante ao dos romanos, embora com características bem distintas e comprometidos com a formação do feudalismo. —MEROVÍNGIOS: —Primeira dinastia dos francos – batalha dos Campos Catalúnicos (Meroveu) – contra o rei huno, Átila; —Clóvis venceu os romanos (na Gália), os alamanos, os burgúndios e os visigodos, conquistando um vasto território.

—Batalha de Tolbiac (496) – converteu-se ao cristianismo, sendo batizado na Catedral de Reims; —Após sua morte (511) – o reino foi repartido entre seus herdeiros, até que com Dagoberto (628), foi estabelecido que o reino teria sempre um só sucessor; —Depois de Dagoberto, os reis francos estiveram submetidos ao poder dos senhores feudais – “reis indolentes”; —Poder: nas mãos dos prefeitos do palácio (ou mordomos) – verdadeiros primeiros-ministros; —Destacou-se Carlos Martel, que impediu a expansão árabe na europa, vencendo em Poitiers (Pireneus), em 732; —CAROLÍNGIOS: —Pepino, o Breve, filho de Carlos Martel – aproveitando-se do prestígio do seu cargo e obtendo apoio do papa, depôs Childerico III, o último soberano Merovíngio, no ano de 751.

—Assim se iniciou a dinastia Carolíngia, cujo maior representante foi Carlos Magno; —Pepino apoiou o Papa na luta contra os lombardos, dando ao papado o território de Ravena, no qual tem início a autoridade temporal do Papa; —768: Carlos Magno assumiu o trono, tendo governado até 814 e tornando-se o maior imperador da Alta Idade Média; —Após expandir as fronteiras do império, Carlos Magno foi coroado no ano 800, pelo para Leão III, como Imperador do Ocidente, surgindo, assim, a idéia do Renascimento do Império Romano do Ocidente;

DIVISÃO DO IMPÉRIO:

—Com a morte de Carlos Magno, o trono foi ocupado por seu filho Luis, o piedoso, que se casou duas vezes, tendo três herdeiros: Luis, o Germânico; Lotário; e Carlos, o Calvo; —843: Tratado de Verdun – ficou resolvido o problema da partilha do império, que foi dividido em três partes: Germânia para Luis; Itália para Lotário (lotaríngia) e a França para Carlos; —911: ascensão do duque da Saxônia, extinguiu-se a Germânia, a dinastia carolíngia; —987: coroação de Hugo Capeto – os carolíngios deixaram de reinar na França; —Pouco a pouco, o império foi sendo desmantelado, desaparecendo lentamente a obra de seu fundador.

Anúncios

6 comentários em “Idade Média: as Migrações bárbaras e o Reino dos Francos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s