Sala 19

O blog de História de Fabiana Scoleso

  • Calendário

    maio 2009
    D S T Q Q S S
    « abr   jun »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Categorias

  • Twitter

  • Sala19 no Facebook

  • RSS Google News

    • Israel aprova construção de novas casas de colonos; Netanyahu conversa com Trump - Estado de Minas
      UOLIsrael aprova construção de novas casas de colonos; Netanyahu conversa com TrumpEstado de MinasIsrael relançou neste domingo a colonização, ao aprovar projetos de construção de centenas de casas em Jerusalém Oriental, horas antes de uma conversa por telefone entre Benjamin Netanyahu e Donald Trump, que convidou o premier israelense a ...Trump e Netanyahu […]
    • Valls e Hamon disputarão segundo turno das primárias socialistas na França - Globo.com
      Globo.comValls e Hamon disputarão segundo turno das primárias socialistas na FrançaGlobo.comCandidato da esquerda do partido surpreende e ultrapassa ex-premiê no primeiro turno da primária. Pesquisas indicam que nenhum dos dois é favorito na eleição presidencial. Facebook · Twitter ...Candidatos para 2º turno das primárias socialistas na França são definidos […]
    • Acidente com Teori Zavascki: Avião que caiu em Paraty é retirado do mar - Globo.com
      Globo.comAcidente com Teori Zavascki: Avião que caiu em Paraty é retirado do marGlobo.comO avião que caiu na quinta-feira (19) com Teori Zavascki e outras quatro pessoas em Paraty foi retirado do mar na noite deste domingo (22). A balsa com um guindaste para içar a aeronave havia chegado ao local do acidente por volta das 18h e a remoção ...Destroços do aviã […]
    • Número de mortos em descarrilamento de trem na Índia passa de 30 - Globo.com
      Globo.comNúmero de mortos em descarrilamento de trem na Índia passa de 30Globo.comSocorristas ainda tentam encontrar sobreviventes neste domingo (22). Acidente aconteceu dois meses depois de um descarrilamento similar deixar 146 mortos. Facebook · Twitter. Agence France-Presse. Por France Presse. 22/01/2017 09h28 Atualizado há ...Acidente de trem deixa pelo […]
  • RSS UOL Economia

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • RSS Último Segundo – iG

    • Avião que levava Teori e mais quatro pessoas é retirado do mar em Paraty (RJ)
      iG São PauloAeronave caiu na última quinta-feira (19) e matou todos que estavam a bordo; destroços serão levados para perícia no aeroporto do Galeão, no Rio Trabalho de retirada dos destroços será feito por empresa contratada pela seguradora do avião acidentadoFoto: Reprodução/GlobonewsFoi iniciada neste domingo (22) a remoção dos destroços do avião que caiu […]
    • Polícia do Rio Grande do Norte prende 17 por envolvimento em rebeliões
      iG São PauloTambém foram presos suspeitos de participação em ataques fora do presídio de Alcaçuz; outros dois adolescentes foram apreendidos no Estado Exército foi enviado ao Rio Grande do Norte para reforçar o trabalho da Polícia Militar no EstadoFoto: Divulgação/Governo do Rio Grande do NorteA Polícia Civil do Rio Grande do Norte afirma já ter prendido 17 […]
    • Dono de avião que caiu com Teori era sócio de André Esteves, do BTG Pactual
      iG São PauloMinistro do Supremo que morreu no acidente aéreo havia revogado a prisão domiciliar do banqueiro no ano passado; queda da aeronave matou outros 4 Carlos Alberto Fernandes Filgueiras era sócio Carlos Daniel Rizzo da Fonseca%2C que integra quadro societário do BTGFoto: Reprodução/JucespDono do avião que caiu na última quinta-feira (19) com o minist […]
    • "Por que essas pessoas não votaram?", ironiza Trump sobre Marcha das Mulheres
      iG São PauloPresidente disse que celebridades "fazem mal à causa"; segundo as organizadoras, cerca de 2,5 milhões de pessoas participaram dos atos "As celebridades fazem mal à causa", escreveu Trump em seu perfil pessoal no TwitterFoto: Facebook/ Donald J. Trump/ ReproduçãoEm resposta às pessoas que foram às ruas neste sábado (21) para pr […]
  • RSS UNICAMP

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.
  • RSS BBC Brasil

    • Ocorreu um erro. É provável que o feed esteja indisponível. Tente mais tarde.

Revolução Russa

Posted by travelerthought em quarta-feira, 27 maio 2009

 

A RÚSSIA ANTES DE 1917

Em 1894, subiu ao trono russo o czar Nicolau II. Desde o século XVI, o país era uma monarquia absolutista. A nobreza era proprietária de 25% das terras cultiváveis do país, e a grande maioria da população – mais de 80% – estava ligada direta ou indiretamente à terra.

As condições de vida da maior parte dos camponeses eram péssimas. Em geral, eles habitavam moradia precária e sem ventilação. Alimentavam-se basicamente de pão preto, batata e torta de farinha de milho. Nas aldeias raramente havia escolas, e a maior parte da população era analfabeta.

No plantio e na colheita eram usados instrumentos agrícolas antigos, como o arado de madeira e a foice. Apenas em algumas grandes propriedades adotava-se uma tecnologia moderna, que permitia o aumento da população.

Nas cidades, a vida não era muito diferente da do campo. Em 1838, uma investigação feita pelo Conselho Municipal de Moscou, abrangendo milhares de casas dessa cidade, mostrou que grande parte da população vivia em péssimas habitações:

 “… As escadas que conduzem aos sótãos, onde o povo reside, estão cobertas de toda espécie de imundície. As próprias habitações estão quase cheias de tábuas sujas sobre as quais se estendem colchões de palhas pestilentos, tendo os cantos tomados pela porcaria. O cheiro é desagradável e asfixiante”.

 Com uma economia essencialmente agrária, a Rússia tinha poucas indústrias; a maior parte dela pertencia a proprietários estrangeiros, principalmente franceses, ingleses, alemães e belgas. No começo do século XX, um russo descrevia assim as condições de vida dos operários:

 “Não nos é possível ser instruídos porque não há escolas, e desde a infância devemos trabalhar além de nossas forças por um salário ínfimo. Quando desde os 9 anos somos obrigados a ir para a fábrica, o que nos espera? Nós nos vendemos ao capitalista por um pedaço de pão preto; guardas nos agridem a socos e cacetadas para nos habituar à dureza do trabalho; nós nos alimentamos mal, nos sufocamos com a poeira e o ar viciado, até dormimos no chão, atormentados pelos vermes…”

 

UM CLIMA EXPLOSIVO

Os problemas internos da Rússia se agravaram ainda mais após a guerra Russo-Japonesa (1904-1905). A origem do conflito foi a disputa entre os dois países por territórios na China e por áreas de influência no continente. A derrota ante os japoneses mergulhou a Rússia numa grave crise econômica e aumentou o descontentamento de diferentes grupos sociais com o czar Nicolau II. Começaram a ocorrer greves e movimentos reivindicatórios, duramente reprimidos pela polícia czarista.

Num domingo de janeiro de 1905, trabalhadores de São Petersburgo, então capital do Império Russo, organizaram uma manifestação para entregar a Nicolau II um documento em que reivindicavam melhores condições de vida e melhores salários. Uma multidão de cerca de 200 mil pessoas, entre elas crianças e mulheres, dirigiu-se ao Palácio de Inverno, residência do czar. As tropas do governo, que estavam de prontidão, receberam os manifestantes com tiros de fuzil.

O incidente, que ficou conhecido como Domingo sangrento, provocou conflitos em toda a Rússia.

Tentando diminuir as tensões sociais, o czar criou a Duma, espécie de Parlamento. Contudo, os deputados eleitos das quatro primeiras dumas foram de tal maneira pressionados pelo czar que pouco puderam fazer.

Esse ambiente contribuiu para a difusão e a aceitação das idéias socialistas – sobretudo as elaboradas pelos alemães Karl Marx e Friedrich Engels – entre os movimentos sociais russos. Assim, essas idéias se tornariam a base da Revolução Russa.

Em 1905, surgiram os sovietes de trabalhadores, conselhos que se encarregavam de coordenar o movimento operário nas fábricas. Os sovietes teriam papel decisivo na revolução de 1917.

 

O INÍCIO DA REVOLUÇÃO

Em agosto de 1914 a Rússia entrou na Primeira Guerra Mundial contra a Alemanha e a Áustria-Hungria. Nicolau II acreditava que por meio da guerra pudesse expandir o Império Russo e diminuir a insatisfação popular.

No entanto, o fato acentuou o descontentamento e precipitou o processo revolucionário. A guerra agravou a situação econômica e social do país. Os soldados, mal-armados e mal alimentados, foram dizimados em derrotas sucessivas. Em dois anos e meio de guerra, a Rússia perdeu 4 milhões de pessoas.

Em 1915, o czar Nicolau II decidiu assumir pessoalmente o comando do Exército, deixando o governo nas mãos de sua esposa, a Imperatriz Alexandra, e de Rasputin, um monge que agia como conselheiro do czar.

Em 1917, a escassez de alimentos era muito grande e provocou uma série de greves. Em 27 de fevereiro desse mesmo ano, uma multidão percorreu a capital do Império pedindo pão e o fim da guerra. Os manifestantes também criticavam o sistema monárquico.

A polícia e o exército, agora ao lado dos manifestantes, não reprimiram o movimento. Isolado, o czar abdicou, e um governo provisório foi constituído, chefiado pelo príncipe George Lvov. Esse governo, dominado pela burguesia russa, decidiu continuar na guerra, com planos de uma grande ofensiva contra a Áustria-Hungria.

A população russa, porém, discordava dessa orientação. O governo, sem controle de seus exércitos, não tinha forças para impedir as deserções dos soldados. Havia ainda a constante elevação dos preços dos gêneros alimentícios, contra a qual o governo nada conseguia fazer.

Nesse momento, grupos revolucionários já desenvolviam intensa atividade nas cidades, reativando os sovietes de trabalhadores, com o objetivo explícito de tomar o poder.

A ofensiva do novo governou contra a Áustria-Hungria fracassou. Isso agravou ainda mais a situação e provocou uma grande manifestação no dia 17 de julho de 1917, na capital do Império. Era o fim do governo provisório de Lvov, substituído por Alexander Kerenski.

Naquele momento, três grupos e três diferentes propostas políticas se defrontavam pelo poder:

* O Partido Democrático Constitucional, partido da burguesia e da nobreza liberal, favorável à continuação da guerra e ao adiamento de quaisquer modificações sociais e econômicas.

* Os bolcheviques – maioria, em russo -, que defendiam o confisco das grandes propriedades, o controle das indústrias pelos operários e a saída da Rússia da guerra. Graças ao controle cada vez maior que exerciam sobre os sovietes de operários e soldados, sua força crescia continuamente. Seus dois principais líderes eram Vladimir Lenin e Leon Trotski.

* Os mencheviques – minoria, em russo -, que, embora contrários à guerra, não admitiam a derrota da Rússia. Divididos internamente e indecisos quanto aos rumos que o país deveria tomar, foram perdendo importância política.

 

A TOMADA DO PODER

A partir de agosto de 1917, os bolcheviques passaram a dominar os principais sovietes e a preparar a revolução.

No soviete Petrogrado, novo nome de São Petersburgo, foi constituído o Comitê Militar para a Realização da Revolução.

Sob o comando de Trotski, no dia 25 de outubro, os bolcheviques ocuparam os pontos estratégicos de Petrogrado e o Palácio do Governo. Kerenski, abandonado por suas tropas, foi obrigado a fugir.

Na manhã do dia seguinte, os sovietes da Rússia, reunidos em Congresso, confirmavam o triunfo da revolução, confiando o poder a um Conselho de Comissários do Povo. O Conselho era presidido por Lenin.

As primeiras medidas do governo revolucionário foram:

 * retirada da Rússia da guerra;

 * supressão das grandes propriedades rurais, confiadas agora à direção de comitês agrários;

 * controle das fábricas pelos trabalhadores;

 * criação do Exército Vermelho, com a finalidade de defender o socialismo contra inimigos internos e externos.

Logo depois, os bolcheviques adotaram o sistema de partido único: Partido Comunista.

 

A DEFESA DA REVOLUÇÃO: TROTSKI E O EXÉRCITO VERMELHO

Após a tomada do poder pelos revolucionários, a Rússia viveu ainda três anos de guerra civil. Nesse processo, a participação de Leon Trotski, um dos mais importantes líderes da revolução, foi fundamental.

Culto e com grandes capacidades de persuasão, Trotski comunicava-se bem tanto com operários e camponeses quanto com uma platéia de intelectuais e diplomatas.

Quando irrompeu a guerra civil, a organização das tropas de defesa, o Exército Vermelho, ficou sob sua responsabilidade. Em condições extramamente precárias, com o país esgotado, recém-saído da Primeira Guerra Mundial, Trotski conseguiu formar um exército forte e eficiente.

Com o apoio popular, as tropas revolucionárias enfrentaram o Exército Branco, composto por antigos oficiais do czar e prisioneiros do exército austríaco. Além disso, enfrentaram tropas de países europeus, que temiam que a revolução socialista se espalhasse pelo continente.

 

A CONSOLIDAÇÃO DA REVOLUÇÃO RUSSA

 Sob a direção de Lenin e com um plano que ficou conhecido como Nova Política Econômica (NEP), os bolcheviques deram início à recuperação da economia russa. Elaborada em 1921, a NEP procurou concentrar os investimentos nos setores mais importantes da economia. Entre as medidas adotadas encontravam-se:

 * produção de energias e extração de matérias-primas;

 * importação de técnica e de máquinas estrangeiras;

 * organização do comércio e da agricultura em cooperativas;

 * permissão para a volta da iniciativa privada em diversos setores da economia, como o comércio, a produção agrícola e algumas formas de atividade industrial. Todos os investimentos tinham o rígido controle do Estado, muitos deles eram feitos em empresas estatais.

Vários Estados que tinha separado da Rússia durante a revolução – como a Ucrânia – voltaram a se integrar e formaram, em 1922, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), um Estado federativo composto por quinze repúblicas.

Com a morte de Lenin, em 1924, Stalin (secretário-geral do Partido Comunista) e Trotski passaram a disputar o poder. Stalin defendia a idéia de que a União Soviética deveria construir o socialismo em seu país e só depois tentar levá-lo a outros países; Trotski achava que a Revolução Socialista deveria ocorrer em todo o mundo, pois enquanto houvesse países capitalistas, o socialismo não teria condições de sobreviver isolado.

Stalin venceu a disputa. Trotski foi expulso da URSS. A União Soviética ingressou, então, na fase do planejamento econômico. Foi a época dos planos qüinqüenais, inaugurada em 1928. Os planos se sucederam a transformaram a União Soviética numa potência industrial. Contudo, a violência foi amplamente empregada pelo governo para impor sua política.

 

Fonte: Base de Dados do Portal Brasil.

 

Uma resposta to “Revolução Russa”

  1. Leticia Martins said

    Revoluçao eh soh texto?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: